A redução nos rendimentos da poupança e o ganho dos bancos
 

Em relação às várias propostas de corte no rendimento da poupança que andaram circulando pela mídia, a presidente Dilma escolheu, provavelmente, uma que era menos pior - se os leitores nos permitem um pequeno atentado à gramática para definir precisamente o que aconteceu.

É possível que a ideia tenha sido a de forçar o Banco Central (BC) a reduzir mais a taxa básica de juros, pelo menos para 8,5% - caso contrário, as regras antigas das cadernetas de poupança continuarão inalteradas. Embora, com uma taxa nominal de 8,5% e a inflação projetada pelo BC para o ano (5,12%), isto significaria uma taxa real de juros de 3,2%, ainda muito alta. Logo, seria necessário baixar mais essa taxa ou teríamos os ricos auferindo uma alta taxa de juros e os mais pobres – 100 milhões de correntistas - recebendo menos por suas cadernetas de poupança. Do ponto de vista relativo, em vez de cortar os juros que os ricos auferem, ter-se-ia cortado os parcos juros que os pobres recebem. Mas, é verdade, se a inflação for igual à de 2011 (6,5%), a taxa real cairia para 1,9%, sem redução nominal abaixo de 8,5%.

Esses cálculos, meras simulações, são apenas para que não subestimemos nem superestimemos as boas intenções. Infelizmente, elas não são tudo na vida. Em geral, são apenas um ponto de partida – quando o que mais interessa, realmente, é o ponto de chegada.

Permanece, portanto, o problema – o corte na poupança é um aumento no ganho dos bancos. Uma espécie de compensação pelo que eles “perderiam” com a queda na taxa que remunera os títulos públicos. Na verdade, mesmo com uma taxa real de 1,9% ou 2%, os bancos continuariam a enfiar quantidades quiméricas de dinheiro em seus cofres, às custas dos títulos públicos, isto é, do Tesouro, do Estado e da população. Como a ganância dessa súcia é insaciável, não será aumentando seu lucro – ou dando ali o que cá eles deixam de ganhar – que esse entrave ao crescimento do Brasil será resolvido.

No dia 10 de abril, os bancos privados, após a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil reduzirem seus juros, reuniram-se com o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa. Apresentaram uma lista de 20 “reivindicações”, todas perfeitamente absurdas, para reduzir seus juros.

No mesmo dia, o cartel dos bancos, a Febraban, lançou um boletim pregando o corte nos rendimentos da poupança. Dizia a Febraban que a queda na taxa básica de juros levaria a um “desequilíbrio potencial (...), que poderia levar a um fluxo significativo de recursos para as cadernetas e ao mesmo tempo escassez de funding em outros segmentos do mercado. Teríamos excesso de exigibilidade, e com base em recursos de curto prazo, de um lado e escassez em outro. Certamente um desequilíbrio que precisa ser corrigido para viabilizar a continuidade da queda dos juros. E quanto antes, melhor” (grifo nosso).

Era uma ameaça, não uma análise econômica, pois os títulos públicos estão, na maior parte, na mão dos próprios bancos ou de fundos que eles controlam. A rigor, era um blefe, que em seguida a mídia se encarregou de propalar. O problema é que foi bem sucedido, na medida em que o governo aceitou o “quanto antes, melhor” dos bancos - embora eles não tenham conseguido tudo o que queriam.

Portanto, desde o início, a história de que os especuladores com títulos públicos migrariam, ou estariam migrando, da “renda fixa” para a poupança - o que, segundo os exegetas da tese, tornaria impossível ao governo refinanciar sua dívida (isto é, os novos títulos públicos emitidos para esse refinanciamento não encontrariam compradores) - foi fabricada pelos bancos.

Não vamos nos deter outra vez no absurdo da ideia – própria para pessoas ingênuas ou para trouxas juramentados. Ao invés disso, vejamos alguns dados.

Na segunda-feira, o BC publicou o seu relatório de poupança, referente a abril. A captação líquida (diferença entre depósitos e retiradas) foi R$ 1,98 bilhões – um valor inferior a março (R$ 2,54 bilhões), inferior a dezembro (R$ 3,59 bilhões), inferior a setembro (R$ 4,18 bilhões), inferior a julho (R$ 6,09 bilhões) ou inferior a agosto do ano passado (R$ 2,22 bilhões), quando não havia, segundo esses mesmos filósofos das finanças, ameaça alguma de migração da renda fixa para a poupança.

Em suma, em abril não houve sinal, nem mesmo discreto, dessa “migração”, apesar do BC ter reduzido a taxa básica de juros (Selic) na noite de 18 de abril.

Pelo contrário, houve dias em abril em que a captação líquida da poupança foi negativa (as retiradas foram maiores que os depósitos), tanto antes da queda da Selic (dias 2, 9, 10, 12, 16, 17 e 18 de abril), quanto logo depois (dias 19 e 23 de abril – quando, num único dia, as retiradas superaram os depósitos em R$ 637,12 milhões, ou seja, mais de meio bilhão).

Certamente, é fácil prever qual a defesa dos corifeus da “migração”: não houve migração da renda fixa para a poupança, mas haveria, se a taxa básica caísse mais e a poupança não fosse cortada.

Passando por cima de que não era exatamente isso o que eles diziam antes do corte da poupança, que diabo de fenômeno econômico é esse que não tem nenhum sinal antecedente (ou, como diriam os médicos, nenhum sinal “prodrômico”, nenhum sinal precursor ou prenunciador)? Sobretudo em se tratando de especulação, é algo realmente extraordinário, para não dizer fantástico e incrível – ou inédito. Pelo visto, nem um especulador se antecipou aos colegas, apesar desta ser uma categoria composta por elementos que adoram passar a perna, quer dizer, se precipitarem na frente dos seus asseclas ao primeiro boato que ouvem. No entanto, nesse caso, estavam todos quietos, mais disciplinados que freiras carmelitas, esperando que o governo cortasse a poupança dos mais pobres.

 

Carlos Lopes
Data da Publicação: 10/05/2012


 Comente
 
COMENTÁRIOS:

 
Voltar


20.07.2018
 EDITAL DE CONVOCAÇÃO CONVENÇÃO ESTADUAL.
13.03.2018
 PPL apresenta candidatura de João Goulart Filho a presidente da República.
12.03.2018
 PPL decide: João Goulart e Léo Alves para Presidência e Vice-Presidência do Brasil.
02.02.2018
 Aposentados fazem desfile-protesto contra assalto à Previdência.
02.02.2018
 Gasto com juros foi de R$ 400 bilhões em 2017.
02.02.2018
 Servidores Públicos reforçam convocação de greve geral dia 19.
02.02.2018
 ALERGS não vota o pacote de Sartori.
02.02.2018
 Governo do RS deixa metade dos servidores sem salário.
02.02.2018
 Filho de Jango é lançado presidente em São Borja.
22.01.2018
 Resolução da Executiva Estadual do Partido Pátria Livre – RS.
15.01.2018
 João Vicente Goulart condena “desmoralização” do Ministério do Trabalho.
15.01.2018
 Eleição com Lula é fraude!.
15.01.2018
 Ha-Joon Chang: “O Brasil está experimentando uma das maiores desindustrializações da história da economia”.
27.11.2017
 A vice-presidente do PPL/RS recebe homenagem da ALRS alusiva à Semana da Consciência Negra.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.org.br