Elite faz campanha para subir os juros
 

Interessante que, anos atrás, a mídia brasileira dava destaque negativo aos juros altos.

Quando agora o governo Dilma baixou os juros aos níveis mais baixos em décadas, eis que surge uma campanha para elevar os juros.

Vários economistas famosos, que ocuparam cargos no governo em épocas de juros altos, baixo crescimento, alto desemprego e alta dívida pública, e a grande mídia, insistem para que o Banco Central volte a subir a Selic (usada no pagamento dos que emprestam ao governo, com repercussão nos juros dos bancos e crediários). O argumento é segurar a inflação.

Estes economistas, hoje, têm empresas que atuam no mercado financeiro, responsáveis pelas aplicações das grandes e médias fortunas, e são conselheiros da oposição, que adere às suas propostas.

Quem leva vantagem com juros mais altos? O governo vai pagar mais a quem lhe emprestou. O consumidor vai ter prestação maior. O empresário pagará mais pelo empréstimo.

A vantagem será de quem tem dinheiro sobrando e aplica no mercado financeiro, e, por certo, os bancos.

Esta campanha propõe mais: reduzir o crédito, para que a grande maioria da sociedade compre menos.

Para estes sábios o povo está comprando demais.

Seria bom averiguar como as elites ricas, que eles defendem, gastam seu dinheiro.

Querem ainda reduzir a procura de serviços (cujos preços não têm concorrência com importados) para que a população ande menos de ônibus ou de avião, vá menos ao cabeleireiro, use menos o telefone e a internet. Eles propõem reduzir os gastos do governo, mas escondem quais.

Na prática, topam menos universidades e escolas técnicas gratuitas, menos equipamentos de saúde pública, menos exames e remédios, menos pessoal na educação e na saúde, menos Bolsa Família, menos aposentadorias, itens que envolvem mais de 50% dos gastos públicos.

Eles querem que o governo economize, apertando o povo para gerar mais superávit e pagar mais juros.

Querem passar ao setor privado tudo o que puder na infraestrutura nacional e, ao mesmo tempo, aumentar a taxa de lucro nas concessões. Isto é, que os usuários paguem mais.

Querem que os endinheirados ganhem mais, gerando desemprego, reduzindo o comércio e os serviços, segurando salários e aposentadorias, mesmo fazendo voltar à pobreza muita gente que saiu dela.

Eles tiveram uma vitória no Banco Central com a subida da Selic de 7,25% ao ano para 7,50%. Querem mais altas.

Cabe ao governo e à sociedade resistir.

Há outros caminhos para segurar a inflação, como o governo tem feito.

Entre eles, reduzir os tributos em itens que a causam diretamente, como a cesta básica, os transportes, o material escolar, desde que as empresas não embolsem a diferença.

Elói Pietá é ex-prefeito de Guarulhos. Publicado no jornal Diário de Guarulhos dia 25/04/13

 

 

ELÓI PIETÁ
Data da Publicação: 06/05/2013


 Comente
 
COMENTÁRIOS:

 
Voltar


20.07.2018
 EDITAL DE CONVOCAÇÃO CONVENÇÃO ESTADUAL.
13.03.2018
 PPL apresenta candidatura de João Goulart Filho a presidente da República.
12.03.2018
 PPL decide: João Goulart e Léo Alves para Presidência e Vice-Presidência do Brasil.
02.02.2018
 Aposentados fazem desfile-protesto contra assalto à Previdência.
02.02.2018
 Gasto com juros foi de R$ 400 bilhões em 2017.
02.02.2018
 Servidores Públicos reforçam convocação de greve geral dia 19.
02.02.2018
 ALERGS não vota o pacote de Sartori.
02.02.2018
 Governo do RS deixa metade dos servidores sem salário.
02.02.2018
 Filho de Jango é lançado presidente em São Borja.
22.01.2018
 Resolução da Executiva Estadual do Partido Pátria Livre – RS.
15.01.2018
 João Vicente Goulart condena “desmoralização” do Ministério do Trabalho.
15.01.2018
 Eleição com Lula é fraude!.
15.01.2018
 Ha-Joon Chang: “O Brasil está experimentando uma das maiores desindustrializações da história da economia”.
27.11.2017
 A vice-presidente do PPL/RS recebe homenagem da ALRS alusiva à Semana da Consciência Negra.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.org.br