Você está em: Home >> Notícias >> Eleição com Lula é fraude!
 
- Procurar Notácias  
 
 
15/01/2018 | Eleição com Lula é fraude!

Lula, seus adeptos e seus satélites, no momento, promovem uma original campanha com o objetivo declarado de passar por cima das leis e da Justiça.

A originalidade – semelhante a outras originalidades do lulo-petismo – está no mote da campanha. Literalmente: aquele de que “eleição sem Lula é fraude”.

Assim, esses rapazes e senhoritas, alguns de idade provecta, pretendem que o princípio geral de que “todos são iguais perante a lei” (ou, no quinto artigo da nossa Constituição: “todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”), seja revogado para beneficiar um único cidadão, condenado por seus crimes – aliás, por uma parte deles – mesmo que seja condenado em segunda instância, o que provocaria a sua inelegibilidade, pela “lei da ficha limpa”.

Em suma, querem promover uma fraude nas eleições. No entanto, segundo eles, a fraude é não permitir que eles fraudem as eleições.

Todos são iguais perante a lei; roubar dinheiro público é crime; receber propina para facilitar o assalto ao dinheiro e à propriedade pública é crime. A punição, pela lei, é a cadeia.

E quem é condenado por esses crimes também por um órgão colegiado – isto é, por um tribunal de segunda instância – não pode concorrer às eleições por oito anos, pela Lei Complementar nº. 135/2010 (a “lei da ficha limpa”).

Esta lei, de iniciativa popular, foi aprovada por unanimidade na Câmara e no Senado (evidentemente, com o voto unânime também do PT) e assinada, sem vetos, pelo presidente da República – que, na época, era um certo Luís Inácio Lula da Silva.

Mas, agora, Lula e seu círculo pretendem passar por cima da lei que eles mesmos aprovaram – e que o próprio Lula assinou, sem nenhum veto.

Por quê?

Porque não existe dúvida sobre os vastos elementos expostos pelo juiz Sérgio Moro para condenar Lula.

Mas em vez de prestar contas à Justiça, Lula – e seus seguidores, tanto os cínicos quanto os tolos – preferem negar que existam provas, sem apresentar contestação para as provas que existem.

Eles acham que, se repetirem muito que as provas não existem, as pessoas vão acreditar que não existem provas – e, assim, a sua mentira passaria a ser verdade.

Infelizmente para eles, ao contrário do que disse aquele anormal nazista, a mentira não se torna verdade por ser muito repetida. O que é mentira continua sendo mentira. Porque a verdade não pode ser abduzida pela mentira.

Até porque as pessoas – o povo –, ao contrário da crença lulista, não são burras. Elas sabem distinguir, cedo ou tarde, a verdade da mentira.

No caso, o prazo de validade das mentiras de Lula caducou há três anos, quando a Operação Lava Jato pôs a descoberto o esgoto em que ele e assemelhados no crime (Temer, Aécio & catervas) imergiram a vida política do país.

No processo do triplex do Guarujá, em que Lula foi condenado a nove anos e meio (mais multas e devolução do que roubou), asprovas são tão irretorquíveis, que nem Lula nem os lulistas têm dúvida sobre qual será o resultado do julgamento na segunda instância, pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), no próximo dia 24 (sobre as provas, o leitor poderá ler um resumo em “‘O triplex não é meu’ ou as provas que Lula garante que não existem).

Vale ressaltar este último fato:

A razão porque todos têm certeza da condenação em segunda instância – inclusive Lula e seus sequazes – é, precisamente, que as provas surgidas durante a tramitação do processo em primeira instância, e resumidas pelo juiz Moro nas 260 páginas da sua sentença, são incontestáveis.

A maior demonstração desta verdade é, exatamente, que a defesa de Lula nem tentou contestar essas provas. Há meses, sua conduta é meramente procrastinatória, tentando apenas postergar a tramitação do processo até depois das convenções partidárias, que escolherão os candidatos de cada partido.

Daí, a queixa ridícula, dos defensores de Lula – e do PT – de que o processo estaria tramitando demasiado rápido. Mais um pouco e o PT colocará no seu programa uma nova bandeira: por uma Justiça vagarosa, devagar quase parando, quando o réu for o Lula…

Talvez o princípio de que todos são iguais perante a lei, pareça demasiado moderno e avançado para os lulistas, pois foi instituído, tem apenas 220 anos, pelas “labaredas da Revolução Francesa”, como escreveu um de nossos constitucionalistas (v. Paulo Bonavides, “Teoria Constitucional da Democracia Participativa”, Malheiros Editores, 2001, p. 74).

Os lulistas não gostam muito – aliás, nem um pouco – das “labaredas da revolução”.

Em vez disso, têm o hábito – aliás, o vício – de chamar as coisas pelo contrário do que são.

Assim, não surpreende que, ao tentar uma fraude, chamem de fraude o que é o estrito cumprimento da lei e das decisões da Justiça.

Afinal, o lulo-petismo é aquela corrente política que privatizou aeroportos, estradas e até o maior campo de petróleo do mundo, o de Libra, no pré-sal.

Mas, segundo eles, não aconteceu nenhuma privatização.

Que entregou a Meirelles, funcionário do BankBoston, o Banco Central, travando, com os juros altos, o crescimento – e promoveu a maior desnacionalização de empresas desde a década de 90.

Mas, segundo eles, foi tudo para que o país crescesse e a nação prosperasse.

Que roubou, e deixou o cartel das empreiteiras, e adjacências (a JBS, por exemplo), roubar pelo menos R$ 38 bilhões de reais – com certeza, mais – amealhando, em propinas provadas (fora as ainda por provar), até agora, R$ 6,4 bilhões.

Mas, segundo eles, não houve roubo nem propina.

Até agora, a Operação Lava Jato recuperou, em dinheiro, R$ 1,475 bilhão (pela 13ª Vara Federal de Curitiba, do juiz Moro) e R$ 452 milhões (pela 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, do juiz Bretas), além de R$ 3,2 bilhões em bens dos corruptos.

Mas, segundo Lula e asseclas, o problema do Brasil, que é preciso eliminar, não é o seu roubo, mas a Operação Lava Jato. Esta é que é o problema do Brasil.

O lulo-petismo é aquela corrente que faz campanha eleitoral garantindo que jamais vai fazer um “ajuste” recessivo, nem mexer nas leis trabalhistas e previdenciárias (“nem que a vaca tussa”) – e, um ou dois dias depois da eleição, deflagra o mais devastador ajuste recessivo da História do Brasil, altera as leis previdenciárias e arma uma reforma trabalhista.

Trata-se, ainda, daquela turma que faz juras de amor à Petrobrás – e, além de assaltá-la, apoia o projeto de Serra para eliminar a Petrobrás como operadora do pré-sal.

Assim é o caráter desse magote.

Fonte: Jornal Hora do Povo/Carlos Lopes

 

 

 

 
Últimas Notícias
 
06/08/2018   -- João Goulart Filho É Aclamado Candidato A Presidente Em Convenção Nacional Do PPL
20/07/2018   -- EDITAL DE CONVOCAÇÃO CONVENÇÃO ESTADUAL
17/04/2018   -- Cientistas Engajados disputarão as eleições em 2018
13/03/2018   -- PPL apresenta candidatura de João Goulart Filho a presidente da República
12/03/2018   -- PPL decide: João Goulart e Léo Alves para Presidência e Vice-Presidência do Brasil
 

 
Voltar


 Comente
 
COMENTÁRIOS:
20.07.2018
 EDITAL DE CONVOCAÇÃO CONVENÇÃO ESTADUAL.
13.03.2018
 PPL apresenta candidatura de João Goulart Filho a presidente da República.
12.03.2018
 PPL decide: João Goulart e Léo Alves para Presidência e Vice-Presidência do Brasil.
02.02.2018
 Aposentados fazem desfile-protesto contra assalto à Previdência.
02.02.2018
 Gasto com juros foi de R$ 400 bilhões em 2017.
02.02.2018
 Servidores Públicos reforçam convocação de greve geral dia 19.
02.02.2018
 ALERGS não vota o pacote de Sartori.
02.02.2018
 Governo do RS deixa metade dos servidores sem salário.
02.02.2018
 Filho de Jango é lançado presidente em São Borja.
22.01.2018
 Resolução da Executiva Estadual do Partido Pátria Livre – RS.
15.01.2018
 João Vicente Goulart condena “desmoralização” do Ministério do Trabalho.
15.01.2018
 Eleição com Lula é fraude!.
15.01.2018
 Ha-Joon Chang: “O Brasil está experimentando uma das maiores desindustrializações da história da economia”.
27.11.2017
 A vice-presidente do PPL/RS recebe homenagem da ALRS alusiva à Semana da Consciência Negra.
[+ Notícias]

Correio Eletrônico: pplrs@pplrs.org.br